Tudo que você precisa saber antes de comprar um Kindle!

Tudo que você precisa saber antes de comprar um Kindle!

Você se imagina carregando uma mala cheia de livros quando vai viajar? Nós achamos que não. Então queremos que você saiba tudo sobre o Kindle para ter mais praticidade nesses momentos.

Por mais que os livros físicos não tenham sumido completamente, ler ficou muito mais prático depois do surgimento dos e-readers. O Kindle, da Amazon, ainda é o mais conhecido de todos. Lançado em 2007, o dispositivo se tornou indispensável para leitores ávidos. Com diversas versões disponíveis no mercado, pode ser um pouco difícil escolher sem antes pesquisar um pouco.

Por isso, facilitamos para você e preparamos esse guia completo com tudo o que você precisa saber antes de comprar Kindle!

 

Por que um Kindle?

Na era da popularização dos tablets e smartphones, ter um e-reader parece até desnecessário. Na verdade, tudo depende da sua necessidade e do seu objetivo. Os tablets e smartphones são funcionais para diversas ações, inclusive para leituras, mas o Kindle acaba levando vantagens sobre outros quesitos.

  • Bateria. Para quem gosta de passar horas lendo, a bateria do Kindle é muito mais longa. Ela chega a durar mais de um mês. Você não terá problemas, como por exemplo, naquele voo mais longo precisar parar sua leitura porque a bateria do aparelho descarregou;
  • Leitura. Tudo no Kindle é próprio para a leitura, desde o tamanho e peso até uma das características principais: a luz interna;
  • Iluminação da tela. A  iluminação e as cores de um e-reader são feitas para a leitura e costumam ser mais gentis com os olhos, evitando a vista cansada por mais tempo. Se você quiser ler em espaços abertos e muito iluminados, com um tablet é quase impossível.

 

PS.: Se você quer levar sua leitura para outro nível, recomendo comprar o Kindle. Não só pela praticidade pra levar pra qualquer lugar (viagens por exemplo), mas pelo rápido acesso a um acervo gigante e anotações que não empoeiram na prateleira, pelo contrario, passam estar em fácil acesso na nuvem.

Dentre todos os modelos, recomendo o Paperwhite, que tem backlight pra ler em ambientes escuros, diferente do modelo anterior.

Realmente não acho que vale a pena os modelos mais caros (Voyage e Oasis), pois as diferenças minimas não justificam os preços exorbitantes.

Aqui o link para o Kindle Paperwhite:

PS2.: Se você lê mais de um livro por mês, super vale a pena assinar o Kindle Unlimited por R$19,90 mês.

Link para o Kindle Unlimited:

Você terá acesso a qualquer livro da Amazon, a qualquer momento.

 

Agora que você já descobriu um pouco mais sobre o que é  um Kindle, queremos apresentar os modelos disponíveis no mercado.

Qual o melhor Kindle? Conheça os modelos de Kindle

Hoje a Amazon disponibiliza 4 modelos diferentes de Kindle. Neste momento que queremos que você saiba tudo sobre Kindle, conhecer cada um deles é essencial. O poder de leitura, durabilidade e as funções se diferenciam um pouco.

Os preços variam de R$ 299,00 a R$ 1.149,00 e, além de estar disponível no site da Amazon, o Kindle pode ser adquirido em outras grandes lojas como Ponto Frio e Walmart.

O tamanho da tela, a capacidade de armazenamento e o acesso Wifi são características presentes nos quatro modelos. Algumas outras características mudam e queremos destacá-las mais abaixo.

Kindle – R$299

O modelo mais clean da Amazon não deixa a desejar.  Entre as principais características, destacamos:

  • O aparelho não tem iluminação de tela, parecendo mesmo o papel;
  • A bateria desse modelo é uma das mais duráveis;
  • A tela é sensível ao toque;
  • Ele pesa apenas 161g.

 

Kindle Paperwhite R$479 ( O MELHOR KINDLE CUSTO-BENEFICIO)

Paperwhite hacks:

  • O Paperwhite tem uma função só dele que é o 3G gratuito;
  • É o modelo mais pesado, com 217g na versão 3G;
  • A luz interna conta com 4 LEDs;
  • O aparelho tem dimensões de 169 x 117 x 9,1 mm;
  • Possui o diferencial que é a resolução de 300 ppi, contra 167 do Novo Kindle.

Kindle Voyage R$899

O Voyage também vem com características exclusivas:

  • Ele tem mais LEDs do que o Paperwhite – são 6 lâmpadas;
  • É equipado com a iluminação automática, que muda conforme o ambiente;
  • Para virar as páginas, ele tem a tecnologia PagePress – basta pressionar a borda do aparelho para mudar.

Novo Kindle Oasis – R$1.149

Modelo mais caro dos quatro, o Kindle Oasis também tem a bateria mais potente além de outras características:

  • A iluminação interna é realizada por 10 lâmpadas de LED;
  • Tem botões para facilitar a mudança de páginas;
  • Seu peso é 20% menor do que o Voyage, com 131g;

 

Agora que conheceu tudo sobre Kindle, é preciso considerar, além do limite de preço, quais são realmente suas necessidades. Não tem muito acesso a redes WiFi e vai precisar da função de 3G? Compre um Paperwhite. Quer o modelo mais leve possível? Escolha o Oasis.

Para qualquer um que você escolher, não deixe de comprar uma capa para proteger sua aquisição. Só o Kindle Oasis já vem com uma, mas é possível adquirir capas para kindle na loja da Amazon.

Duração da bateria e iluminação de fundo

Com um Kindle, você não vai precisar ficar com o aparelho preso na tomada ou recarregando constantemente. Como citamos antes, a durabilidade da bateria do aparelho pode chegar a um mês, dependendo da sua frequência de leitura.

Se você, por exemplo, ler 30 minutos por dia, com o brilho no nível 10 – para aqueles aparelhos com tela com brilho – e com a internet desativada, a duração pode chegar a 8 semanas.

A iluminação de fundo só não está disponível no Novo Kindle. Versões mais novas dos outros modelos trouxeram a iluminação na parte superior da tela, ao invés de ser atrás, o que evita ainda mais a vista cansada.

Formatos suportados e como fazer conversões

Quando você compra um e-book na loja da Amazon, ele já vem formatado perfeitamente para o Kindle. Dentro do próprio site é possível enviar diretamente para o Kindle, sem precisar conectar o cabo USB.

Para quem já tem livros em outros formatos e quer visualizá-los no e-reader, o Kindle suporta os arquivos do tipo .mobi, .prc, .txt, e .tpz. Se os seus textos estiverem em formato .epub ou .pdf, por exemplo, será preciso realizar uma conversão.

O melhor programa atualmente para fazer isso é o Calibre. Além de conversões, ele é um gerenciador de e-books que trabalha com quase todos os formatos e para todos os e-readers disponíveis.

O programa ainda oferece uma biblioteca em nuvem que você pode acessar de qualquer lugar, além da possibilidade de baixar artigos da web e transformá-los em e-book.

Outras formas de transferir arquivos

Além de comprar ebook Kindle na loja da Amazon e transferir com o Calibre, você pode passar os textos para seu Kindle com o cabo USB ou direto da biblioteca da Amazon.

Mas o que nem todo mundo sabe é que quando você se cadastra na Amazon é criado um e-mail do seu Kindle. Você pode enviar arquivos para esse email e eles são adicionados na biblioteca automaticamente. Para descobrir qual é o seu, clique aqui.

O e-mail também permite a transferência a partir de outras plataformas. O 12Minutos possui uma biblioteca de microbooks que também podem ser lidos a partir do seu Kindle.

Biblioteca gratuita e Kindle Unlimited

A Amazon ainda oferece um clube de associados, o Kindle Unlimited, onde você paga apenas 20 reais por mês e tem acesso aos mais variados títulos, muitos gratuitos inclusive. Além desse clube, o site já possui uma coleção de e-books gratuitos para você começar a montar a sua biblioteca no Kindle.

Se você ainda não conferiu a lista gratuita da loja da Amazon, dê umas voltas por lá e você, com certeza, vai encontrar obras incríveis. Obras como A Bíblia do Crowdfunding, do Scott Steinberg e How to Work for Yourself, do Brian Cohen podem ser lidos sem pagar nada.

Lá você também encontra obras na lista das mais vendidas com preços muito baixos. Por exemplo: O Empreendedor Diário, do S. J. Scott, por apenas R$1,99 e Foco de Mestre, I. C. Robledo, por R$5,99.

A Historia do Kindle

O Kindle não foi o primeiro na sua área de atuação. No entanto, assim como o iPhone no mundo dos celulares, o leitor de livros digitais da Amazon causou uma verdadeira revolução na indústria. Em 2017, o dispositivo completou dez anos de vida, comemorados com promoções e marcado pelo lançamento do Kindle Oasis 2017, primeira versão do produto que pode entrar em contato com a ‘água.

No entanto, quem não acompanhou o aparelho desde o início pode não saber algumas curiosidades sobre o passado do e-reader.

E para essas pessoas separei alguns pontos que valem ser lembrados.

Rocketbook

O primeiro Kindle foi lançado em novembro de 2007, mas Jeff Bezos, o fundador da Amazon, teve o primeiro contato com um leitor de livros digitais bem antes, em 1997. O dispositivo em questão era um protótipo do Rocketbook, aparelho criado pela NuvoMedia. A pequena empresa comandada por Martin Eberhard e Marc Tarpernning queria que a Amazon investisse no novo produto.

Bezos chegou a ficar impressionado com o Rocketbook, porém alguns problemas de design – ele pesava em torno de meio quilo – e a necessidade de conectar a um computador para baixar os livros fizeram com que o dono da Amazon ficasse reticente. Além disso, Bezos temia que a associação com o Rocketbook pudesse favorecer os concorrentes, como a Barnes & Noble. Por isso, ele exigiu um contrato de exclusividade que nunca seria assinado.

O temor de Bezos se cumpriu e o Rocketbook foi financiado pela rede de livraria rival. Conseguiu fazer sucesso durante algum tempo. Depois a NuvoMedia foi vendida, mas o e-reader não teve vida longa. Em 2003, ele foi retirado do mercado devido à vendagem abaixo do esperado.

Seria o fim dos e-books?

Na mesma época, diversas empresa pararam de vender e-books e e-readers. A própria Barnes & Noble deixou de vender os livros digitais em seu site. A Palm, que também tinha uma divisão de e-book, seguiu o mesmo caminho. O SoftBook, outro leitor, foi posto de lado. O clima na época indicava que a era dos livros digitais tinha acabado.

Lab 126

Bezos observou tudo de perto. Em 2004, ele criou uma laboratório de pesquisas na Califórnia. O desafio? Criar um produto que fosse capaz de desbancar o negócio de livros da Amazon. Tudo foi acompanhado a olhos de águia pelo chefe da empresa, conhecido por ser bastante detalhista.

O nome é uma referência ao sonho do CEO de vender todos os livros de A a Z. O “1” é a letra “A” e o “26” representa a letra “Z” no alfabeto.

iTunes dos livros

Na época, a Amazon vendia livros digitais, mas Jeff Bezos odiava o sistema. Os livros eram no formato fechado da Microsoft ou Adobe e precisavam ser baixados para depois serem lidos no computador ou em PDAs (Assistentes Pessoais Digitais).

Junto com um dispositivo, era precisa criar uma nova experiência. Bezos vislumbrava uma solução parecida com o iTunes. Assim como a Apple foi para a música, a Amazon deveria ser para os livros digitais. A empresa já era uma das líderes em vendas de livros físicos, mas o medo era de que outra gigante abocanhasse o mercado dos e-books.

Facilidade acima de tudo

Um dos maiores problemas dos outros e-readers apontados por Jeff Bezos era a configuração. Ainda não existia uma solução fácil o suficiente para que pessoas sem conhecimentos de tecnologia pudessem usar o aparelho. Uma das exigências impostas pelo chefe da Amazon era de que o dispositivo pudesse ser usado por apenas uma das mãos. A outra era a facilidade para baixar os livros. Ele não queria nem mesmo que fosse necessário se conectar a uma rede Wi-Fi. A Whispernet – lendária internet 3G gratuita nos Kindles – surgiu daí.

Fiona

O primeiro codinome do Kindle era Projeto Fiona. O nome veio do livro “The Diamond Age” (“A era do diamante”) escrito por Neal Stephenson e publicado em 1995. O título conta a história de um engenheiro que rouba um livro com ilustrações interativas para dar a sua filha. O nome dela? Fiona.

E-ink: uma tela que parece papel

Um dos grandes diferenciais do Kindle foi a tela. Utilizando uma nova tecnologia de tinta digital (e-ink) ela era ideal quem quisesse ler durante longos períodos. O curioso foi que este tipo de display tinha sido apresentado a Bezos pelo CEO da NuvoMedia nas reuniões de investimento do RocketBook. Na ocasião, Martin Eberhard achou que ela ainda era cara de mais para ser utilizada em uma produção em massa.

Teclado físico

O primeiro Kindle tinha um teclado físico com todas as letras. A ideia, inspirada nos icônicos teclados de modelos de BlackBerry, era oferecer facilidade para quem quisesse fazer uma pesquisa de títulos mais rápida e também agilizar anotações. E eles duraram um bom tempo: o primeiro Kindle sem o teclado só apareceu em 2011, com o Kindle 4.

Só US$ 9,99?

Durante os anos de produção do Fiona, a Amazon travou duras negociações com as editoras para conseguir que elas apostassem novamente no formato. Na época, a empresa já era uma das principais vendedoras de livros dos Estados Unidos e usou este trunfo para conseguir a digitalização de títulos.

Porém, no dia de lançamento do Kindle, Bezos anunciou publicamente o preço de US$ 9,99 para os novos livros. O editores que estavam presentes ficaram incrédulos, já que este valor nunca tinha sido citado pelo chefe da Amazon e, em muitos casos, estava abaixo do preço de custo.

Evolução do Kindle

  • Em 2009, o Kindle 2 foi lançado, mantendo as mesmas características visuais do primeiro modelo, como o teclado físico. Mas havia novidades, como um sintetizador de voz e a ausência do slot para cartão SD. O Kindle DX também foi lançado no mesmo ano. O destaque ficava por conta da memória interna, capaz de armazenar mais de 3 mil livros.
  • Em 2010, foi a vez da chegada da terceira geração. O Kindle Keyboard era mais leve que os antecessores, trazia versões com Wi-Fi e 3G, e um teclado físico remodelado. O Kindle 4 foi lançado em 2011 trazendo um trackpad sensível ao toque para rolagem da tela. Este modelo teve ainda uma outra versão, o Kindle Touch, trazendo como destaque a tela sensível ao toque.
  • O Kindle 5 foi o primeiro a chegar ao Brasil, em 2012. Um ano depois, a Amazon lançou o Kindle Paperwhite no país. O e-reader trazia uma tela iluminada que permitia a leitura mesmo em ambientes escuros. A nova linha fez sucesso e recebeu diversas atualizações durante os anos. Hoje, o Kindle Paperwhite traz como destaque uma tela com densidade 300 ppi, duas vezes mais que os modelos anteriores.
  • O Kindle 7 e o Kindle Voyage foram lançados em 2014. O primeiro era uma atualização para a versão básica do e-reader. Ele trazia uma interface mais rápida graças a um novo processador de 1 GHz. O Kindle Voyage trazia como diferencial o display com mais contraste, 3 GB de armazenamento e um novo sistema para passar páginas chamado de PagePress.
  • Em 2016, mais dois modelos: o Kindle 8 e o Kindle Oasis. O Kindle 8 recebeu o dobro de memória RAM do seu antecessor, passando a contar com 512 MB. O Kindle Oasis trouxe um design remodelado, com uma borda mais ergonômica, acelerômetro para mudar a direção da imagem automaticamente e bateria com a promessa de durar meses longe da tomada. Em 2017, foi lançada a segunda geração do Kindle Oasis. Os destaques são a tela de 7 polegadas e a proteção contra quedas acidentais na água.

 

Hoje, além da versão mais básica do e-reader, a Amazon também vende no país o Kindle Paperwhite, o Kindle Voyage e o novo Kindle Oasis 1 e 2. O preço começa em R$ 299 e normalmente cai a R$ 189 durante períodos promocionais.

 Bônus: hacks do Kindle

Quadrinhos e mangás

Uma das vantagens do Kindle é poder visualizar arquivos de imagens, como mangás e quadrinhos. Quem é fã já deve saber que o Kindle é quase do mesmo tamanho das edições físicas e sua cor também favorece o trabalho artístico da obra.

Ainda é possível otimizar mais a experiência com um programa chamado Mangle. Ele formata os arquivos de mangá e quadrinhos, em que você tenha que nomear cada imagem para organizar no Kindle.

Descanso de tela personalizado

Para personalizar seu descanso de tela, você terá que desbloquear seu Kindle. Alguns sites oferecem instruções para isso, como o EbookBR. Depois de fazer isso, você pode selecionar o descanso de tela que quiser. Se quiser escolher um, sugerimos o blog Kindle Wallpaper.

Easter eggs do Kindle

Acha que já descobriu tudo sobre Kindle? Essa dica poucos sabem.

Se você está lendo um livro muito denso e precisa relaxar um pouco, o Kindle tem alguns jogos escondidos. Na tela principal, pressione ALT+SHIFT+M e depois de aberto o primeiro jogo aperte G para carregar o outro.

Ler artigos da internet no Kindle

O Calibre oferece essa opção, como já falamos antes, mas o próprio Kindle também tem uma função de leitura de artigos da internet.

Vá até o Menu -> Experimental -> Web browser e coloque o link para o artigo que deseja fazer upload.

A leitura provavelmente será melhor do que se você fosse ler no celular, com as imagens atrapalhando o carregamento da página.

E aí, o que achou de conhecer tudo sobre Kindle? Já sabe como comprar Kindle? Ficou alguma dúvida? Deixe seu comentário!

Kindle, Kobo ou Lev: na sua opinião, qual é o melhor? Comente abaixo…

 

 

Fechar Menu